Dia 121: Paradise Kiss

Isso aqui já tá virando um blog de reviews, mas o caso é que eu estou aproveitando as férias pra tirar todos os atrasos possíveis. Isso dito, aí vai mais uma. [Contém SPOILERS! – Se isso não foi suficientemente claro, saiba que eu vou contar o fim.]


Terminei de ler Paradise Kiss. Sim, sim, eu sei que entre publicação no Japão, scanlations e publicação no Brasil eu já tive a oportunidade de ler isso várias vezes, mas o que posso dizer? Na rotina, durante o período de aulas, é difícil manter o ritmo de leituras do jeito ideal – dou prioridade aos livros (de estudo, especialmente). Assim, só podia comprar e guardar, e dessa forma fui acumulando mangás durante esses dois anos – que só estou lendo agora. Então, hoje cheguei ao fim.

Yazawa e eu temos uma relação de amor e ódio. Primeiro, porque a estética é uma das coisas mais importantes pra mim num quadrinho. É o que dá a graça; ver algo atraente acompanhando a história. E a Yazawa é das boas. Tem um traço que beira o perfeito e tem criatividade estética.

Mas isso, claro, não basta. E embora ela sempre tente dar às histórias uma certa profundidade – e às vezes até extrapole os limites -, existem algumas coisas extremamente irritantes. As personagens femininas são sempre passivas demais com os caras. Podem até ser fortes em uma ou outra situação, mas as metas de vida sempre envolvem um homem.

Parakiss (japoneses adoram abreviações) conta a história de uma colegial que, às voltas com o vestibular, acaba se esbarrando com um grupo de estudantes de uma faculdade de moda que querem que ela sirva de modelo para eles em um concurso promovido pela instituição. Ela enfrenta alguns dilemas – falta de tempo, falta de compreensão da mãe – e aceita. No meio de tudo isso, claro, ela se apaixona pelo estilista responsável.

Eu realmente não gosto da interação entre os personagens principais. Acho o George um lixo – só serve para os momentos de humor – e agradeço muito por ela ter ficado com o Tokumori no final. Também não gosto do casal Miwako/Arashi. Estupro é imperdoável, por mais ‘meiguinha’ que ela seja. Aliás, não é o perdão dela que me incomoda; é a falta de qualquer punição. A personagem mais razoável – e louvável – da história é a Isabella. Louvável porque ela é transgênero, e ainda bem que alguém mostra isso, ainda que num mangá de moda. A única cena em que eu perdoo o George é no flashback em que ele aparece ajudando o amigo, ainda criança, a assumir a personalidade feminina.

Os mangás da Yazawa realmente me atraem, e eu fico procurando uma desculpa que não seja a estética pra continuar lendo. E é assim que eu espero que Nana (outro que eu só comecei) a salve.

De qualquer forma, pra quem estuda moda ou procura algum tipo de inspiração, é prato cheio. Bonito, é.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s