Dia 329: Mimimi nº 7.759

Eu tenho que parar com isso, porque eu odeio mimimi. Mas o fato é que eu estou sozinha depois de um bom tempo cheia de gente em volta, e aí os demônios vêm. Inevitavelmente. E sobra pro blog, que a única coisa que me resta é escrever. Sinto muito.

Já há algum tempo que eu não suporto essa minha nova mania de falar demais. Antigamente meu problema era falar pouco, pelo que viviam me dizendo. Acho que eu tentei melhorar isso e acabei piorando drasticamente.

Eu acabei ficando viciada em gente, em fazer gente rir, e desenvolvi um tipo péssimo de humor e uma necessidade (bastante dispensável, diga-se de passagem) de falar. Eu tentei melhorar e não consegui. O blog não ajuda, porque, né, aqui eu falo mais abobrinha do que em qualquer outro lugar. Mentira, o Twitter ainda supera.

Sinto que isso, embora tenha me trazido amigos novos, tem me afastado dos antigos, dos que eu admiro demais. E isso me aborrece além da conta. Não quero ficar me perguntando todo santo dia o que será que eu fiz pra chatear fulano.

É incrível como a gente muda em um ano, né? Em 2009, a ideia era justamente compartilhar: ideias, experiências, tudo. Hoje em dia é a causa da minha frustração, e eu sempre sinto que estou falando demais. Fico achando que não deveria ter feito, que deveria ter sido anônimo, que deveria trancar, e por aí adiante. Tanto que acabei trancando o Twitter. Não só por isso, na verdade. Tudo começou por outro motivo. E eu fui percebendo a bola de neve que virou.

Quero ficar mais no meu canto. Não é nem que a vida que eu levo é ruim. Não é. É só que o rumo que eu estou buscando não casa com nada disso. É outra vida. E eu decidi que só fechando o blog pra isso dar certo. O blog, o Twitter e etc. A minha vida virtual. Como eu prometi que isso aqui ia durar pelo menos um ano, eu vou cumprir. Até porque eu ainda preciso de tempo pra me acostumar à ideia. Sei lá se eu vou conseguir. Mas eu preciso tentar.

Eu espero que o ano que vem represente uma virada significativa de planos, e quero que minhas atitudes acompanhem tudo isso.

Dói? Dói. Porque só o que eu estava tentando fazer era ser honesta. Mas eu ultrapassei a conta, e percebi isso nos últimos dias, quando nem as brincadeiras mais bobas eram compreendidas.

Enfim. Still a month to go. Não sei o que acontece até lá. Vou levando.

Anúncios