Dia 182: O post que era pra ser a parte II do dia 178 e um pouco mais

Aí eu abandono o blog como se não tivesse prometido que escreveria todo dia, né? É. Mea culpa.

Melhor ainda é que eu vou tocar no assunto mais ‘last week’ possível: Oscar. Não, gente. Não é o de 2011. Eu ainda tô no de 2010, calma.

Primeiro, obviamente: Bigelow! Tá, um monte de gente já jogou areia na minha comemoração. Disseram coisas pertinentes, como o fato de a academia ter dado preferência a um filme de guerra porque corresponde à política americana e à visão conservadora da Academia. Não vou opinar. Acredito em todo mundo dizendo que é um filme que favorece os EUA, mas simplesmente não vou dar pitaco porque, bem, ainda não assisti.

Também disseram que é bobagem comemorar a vitória de um filme simplesmente porque a diretora é mulher, sendo que o próprio filme não tem personagens femininas; a única seria a esposa que fica em casa sofrendo. Sobre isso, acho que a Mary W. já falou bem: “Não é uma luta pra premiar filme feminista. É apenas para que homens e mulheres tenham condições de igualdade na carreira.

Foi isso que a gente comemorou. Não foi o fato de terem esquecido que mulheres também vão e morrem no Iraque, nem o fato de que a gente gosta de ver os EUA brincando de explodir o Oriente Médio.

Mas falemos sobre coisas mais alegres. A cerimônia, por exemplo. NOT! Vi um monte de gente reclamando que estava chato pra caramba. Gente, é Oscar! É CHATO PRA CARAMBA! Bom, pelo menos pra mim. Formalidade é formalidade. Vai ter sempre aquele mimimi. Eu só ignoro e fico olhando pras caras, roupas e cabelos e xingando os malditos prêmios que nunca saem pra quem eu torço.

Mentira, esse ano eu acertei um número até bom. À exceção da marmelada-mor: Sandra Bullock. Gente, não. Ela é Miss Simpatia pra sempre. Não é Oscar. Oscar é Meryl Streep levando um chá de cadeira de 16 anos. Façam-me o favor.

O que me deixou sorrindo de orelha a orelha foi o Christoph Waltz ter ganhado como ator coadjuvante. Já era óbvio, mas eu comemorei e acordei todos os vizinhos. Foi o primeiro prêmio da noite e pronto. Acabou. Bastardos não levou NADA. Puta desaforo. Paguei a minha reza contra o Avatar com a derrota do Tarantino. Foi caro, hein? E eu, que era Team Basterds, fiquei quietinha pelo resto da noite. Bem, até a Bigelow.

As musas da noite: Mo’Nique (que fez um bando de marmanjos inundar minha timeline com choro), Kate Winslet e Queen Latifah. E a Maggie Gyllenhaal, que tava com cara de quem não dormiu, mas eu simpatizo com ela.

Bode da noite: George Clooney.

A noite inteira com essa cara. Depois vieram ‘explicar’. Dizem que era uma piada com não sei quem. Senta lá, vai Clooney. Que a Rozzana me desculpe, mas ainda bem que não levou nada. Menino malcriado!

Aí, mudando de pato pra ganso, vamos falar de outro dourado. [Trocadalhos do carilho!]

Eu já nem estou levando os comentários do Twitter a sério, porque, se depois das tentativas da Susan e do AmbulatórioTV de mostrar as incoerências do sujeito em vídeos bem for dummies, ainda existe essa torcida animalesca, quem sou eu pra tentar dissuadir alguém?

Mas vou já dizer umas coisas porque andaram me xingando de ‘preconceituosa’ e ‘hipócrita’. Sim, eu tenho preconceitos, como qualquer ser criado nessa sociedadezinha cretina. O que obviamente não quer dizer que eu vá me desculpar retuitando qualquer frasezinha de efeito que jogarem na minha timeline. Meus preconceitos eu tento combater.

Não desculpo o Dourado de maneira alguma com essa alegaçãozinha chinfrim de ignorância. Ele é um homem de 37 anos, com formação superior, que, segundo os próprios pais, conviveu a vida inteira com homossexuais. Aliás, esse último ‘fato’ vem sendo usado largamente pela família pra dizer que ele não é homofóbico. Não façam isso, vá. Tá só piorando. Argumento do tipo ‘eu até tenho um amigo gay!’ é a coisa mais queima-filme no mundo LGBT. E nem vou lembrar o episódio ‘viado’. Fala por si.

E dizer que Michel e Serginho também já fizeram menção a violência contra mulher não livra a cara do bonito. Só bota os outros dois na lama junto.

E pronto. Chega. Não vou mais falar disso. Já deu.

Pra melhorar o humor do post, vou encerrar com GaGa! Porque ontem o novo clipe dela se espalhou como vírus! E, olha, ela é genial! Clipe cheio de referências. Warhol, Tarantino, Thelma e Louise, até um look meio Madonna. Conseguiu deixar até a Beyoncé interessante.

Anúncios

Dia 6: Yo, Kanye!

Sabe, eu fiquei com dó, se é que essa é a palavra, do Kanye West. Ele teve uma atitude besta, e eu, assim como o resto do universo, também fiz cara de ‘WTF?!’ quando vi. No entanto, me pergunto o quanto essa reação indignada que tá rolando por aí tem de racismo mascarado. O negão interrompendo a loirinha, PEGA LADRÃO!

No fundo, eu acabei achando que o que ele fez foi simplesmente uma atitude completamente impensada. Já é bem óbvio que ele é impulsivo, e pareceu que ele quis fazer um elogio à Beyonce que acabou em merda.

Mas a indignação geral ainda é muito menor que a piada, e a essa eu devo confessar que não resisto. Hoje vi várias imagens rolando pela net, a começar pela do Patrick Swayze, que é de um humor muito sombrio (e questionável), já que brinca com a morte dele e do Michael Jackson, mas eu não consegui não rir. Depois foram surgindo outras (clique para ampliar):

tumblr_kq152kprlk1qa3i8uo1_500

tumblr_kq1bjpclzx1qa3i8uo1_500

Devem ter outras trocentas do estilo rodando pela net.

Definitivamente, essa segunda metade de 2009 não tem estado para famosos. Xuxa e Vanusa que o digam.

Dia 4: VMA

Parece que o assunto do dia foi o VMA, que aconteceu ontem. Eu geralmente não presto muita atenção a essas coisas – a única premiação a que me dou o trabalho de assistir é o Oscar -, mas ontem não tive como ignorar, visto que meu Twitter estava sendo bombardeado por comentários em tempo real. Chegou a ponto de todas as pessoas postantes no momento falarem disso. Todas. Eu não dei print screen, mas deveria: quando a Beyonce subiu ao palco, não havia um post sequer na minha página inicial que não estivesse comentando sobre ela.

Como eu não tenho MTV aqui – big, big fail, Oi TV -, fiquei sem assistir, e só hoje fui saber e ver sobre o que estavam falando. O momento número 1 do evento foi o barraco do Kanye West interrompendo os agradecimentos da cantora Taylor Swift – que a bem da verdade eu só fiquei conhecendo hoje – para dizer que a Beyonce deveria ter ganhado. Beyonce ficou obviamente constrangida e consertou o malfeito mais tarde, ao receber o prêmio de ‘Vídeo do Ano’, quando chamou Swift de volta ao palco para ter o ‘momento’ dela. O site ‘The Celebrity Cafe’ chamou a atitude da cantora de classy, e eu tenho que concordar.

O outro vídeo que bombou o dia todo foi a apresentação da Lady Gaga. Devo dizer que por muito tempo achei que ela fosse mais uma dessas cantoras iguais, mas agora acredito que a guria tenha futuro. Nova Madonna? Bom, elas têm algumas coisas em comum além da ascendência italiana: ousadia e polêmica. Simpatizei com a moça.

Fugindo um pouco do VMA pra cair em outra vergonha alheia, tive o desprazer de assistir um vídeo que a @lillyf_ circulou hoje no Twitter com pessoas respondendo a perguntas básicas de geografia. Quando digo básicas, quero dizer básicas mesmo. Tipo apontar o Brasil no mapa. É altamente ridículo.