Dia 213: #MusicMonday

Complicated Universal Cum – I Can Hardly Wait

Preciso comentar ou deixa assim mesmo?

(via @moreno)

Anúncios

Dia 194: Links

Durante esses dias eu não tive muita vontade de escrever. Assuntos não faltaram. Nem tempo. Apesar de as aulas já terem começado, tudo ainda está relativamente calmo. Mas tem dias que, realmente, não me inspiram.

Nesse tempo, acabei acumulando links para notícias ou artigos interessantes que me mandaram ou estiveram circulando pelo Twitter. Os primeiros são sobre assuntos militares envolvendo mulheres e/ou LGBTs. Muita coisa acontecendo nesses dias. Mas mais pra baixo existem dois três links aleatórios. Aí vão:

Artigo com fotos da WASP na Segunda Guerra – o grupo de aviadoras, não os cretinos, gente. As fotos e as mulheres são lindas. É uma preciosidade.

Fotos de membros LGBT das Forças Armadas norte-americanas que serviram em silêncio ou foram dispensados pela política do DADT.

Mais uma sargenta dispensada pelo DADT. Nada de novo.

Artigo pedindo pra que as mulheres sejam efetivamente permitidas em unidades de combate. As militares americanas já assumem, na prática, posições que teoricamente estão proibidas de exercer, mas não são reconhecidas. Ou seja, elas executam, mas não têm o mérito nem a devida atenção. É muito bom ver artigos assim surgindo com mais frequência.

Congresso americano concede medalhas às veteranas da WASP. Notícia do ano. E a notícia oficial da Defesa.

John Sheehan, ex-general americano, culpa soldados gays holandeses pelo massacre de Srebrenica. Isso é quase um déjà vu. E é bom pra lembrar que não são só os militares brasileiros que falam merda.

Fugindo um pouco do militar:

A garota que beijou a GaGa no clipe de Telephone? É, tá todo mundo falando dela. A Adrina perguntou, eu mandei o link no Twitter, e agora coloco aqui o artigo do AfterEllen sobre Heather Cassils.

Um artigo da Mary Del Priore muito interessante a respeito da relação da Chanel com os nazistas. Embora eu ainda não tenha lido nada sobre a relação dos intelectuais franceses com o regime, uma discussão recente com a Astrocat, a Srta. Bia, a Cynthia, a Juliana e outras meninas acabou despertando o interesse. Eu só li esse e um outro artigo sobre, mas a impressão de que, mais do que antissemita, ela foi oportunista prevalece. Link via Gogu.

Dia 136: For The Bible Tells Me So

Passei o dia um pouco amuada, em parte por causa do documentário que vi durante a madrugada, For The Bible Tells Me So. Eu queria ver há tempos, mas, pra variar, enrolei.

É lindo. Eu chorei muito. Tá, confesso que eu já começo a assistir essas coisas quase chorando. Mas tem hora que não dá pra resistir.

‘For the Bible…’ trata do tão atual confronto entre o cristianismo e a homossexualidade. Daniel Karslake, o diretor, utilizou os depoimentos de cinco famílias americanas extremamente religiosas que, em algum momento, viram um de seus maiores pesadelos virar realidade: ter um filho gay.

Entre os depoimentos, especialistas discutem as passagens bíblicas utilizadas pelos fundamentalistas. Alguns recortes de filmes e programas também são apresentados.

Tem duração de apenas 95 minutos e passa muito rápido. Foi nomeado para o Sundance em 2007 e venceu o GLAAD em 2008, entre outros.

O meu choro é não só por não entender a intolerância alheia, mas também por achar linda as reações de alguns pais. Em alguns momentos, os depoimentos surpreendem.

Embora eu não tenha nenhuma grande relação com o cristianismo – apesar da minha família ser católica -, religião é um assunto que me interessa e, por ser do meio LGBT, os confrontos com religiosos mais afoitos são inveitáveis. Pra quem sofre do mesmo mal, é obrigatório.

O próximo da minha lista é 8: The Mormon Proposition.

Dia 62: LGBT (good) news

Mórmons apóiam lei que dá direitos a homossexuais. Embora a SUD não aprove o casamento gay, considero já um grande passo. Combater a discriminação é notícia boa sempre, ainda mais vindo de grupos religiosos.

Report: Obama, Congress set DADT repeal strategy. Enfim o Obama está dando os primeiros passos rumo ao fim da política do Don’t Ask, Don’t Tell.

Can a Boy Wear a Skirt to School? Ótimo artigo do The New York Times sobre o impasse atual das escolas americanas quanto à política do dresscode.

Most Fashionable Women of 2009. Rachel Maddow é eleita pela ELLE Magazine uma das mulheres mais estilosas de 2009. Suspensórios e orgulho dyke. Go, go, Maddow!

Não exatamente LGBT (vamos fingir):

– Essa é só pra Takarazuka geeks como eu: Sena Jun fez sua última apresentação no Takarazuka Grand Theater. Na tradicional descida pela ‘Grand Staircase’, ela preferiu manter o smoking em vez de usar o uniforme do Takarazuka. “Eu queria descer a ‘Grand Staircase’ vestida assim; foi pra isso que eu trabalhei tanto pra ser uma top star.”

Dia 14: ‘T.G.I.T.N.*’ ou ‘Por que eu tenho que ganhar muito dinheiro’

*Thank God It’s Thursday Night

Eu já comentei que noites de quinta-feira são meus momentos favoritos da semana. Acho que a maioria das pessoas diria que é sexta, mas sexta pra mim já é começo de fim de semana, e se já começou, já começou a acabar, também. Então quinta à noite é bom porque ainda não começou, a gente ainda tá na expectativa. E aí entra na sexta bem. Porque sexta é sexta. Todo mundo vai trabalhar feliz, de calça jeans, ouve música e fica em paz, porque vai pro barzinho à noite e já tá planejando o mico de sábado. Ou não. Talvez prefiram ficar em casa fazendo coisas mais nerds, como eu, né? Vai saber.

Hoje também é uma quinta-feira feliz porque eu comprei livros. Sim, livroS. Eu tô torcendo pra que minha família não leia esse blog, porque senão eu vou tomar um esporro quando chegar em casa daqui uns dias. E eu desconfio que minha mãe esteja lendo, porque ela sabia que minha kokeshi era uma kokeshi quando eu mostrei pra ela na cam no dia seguinte.

Enfim. Livros. Eu fui comprar o Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia e acabei esbarrando no Guia Ilustrado Zahar de Mitologia. Aí, ai. Porque eu adoro mitologia. E ele é tão lindo e ilustrado… Aí eu tava lá paquerando o dicionário Houaiss que eu, pelo jeito, vou continuar só na paquera por muito tempo, quando outro membro da família me chamou a atenção: o Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. E ai de novo. Porque eu também adoro Língua Portuguesa, né? E assim eu continuei esbarrando no Victor Hugo, na Simone de Beauvoir e em Homero, mas resolvi que seria mais sensato fingir que não vi. Mas saibam que eu ainda estou esperando ganhar de presente.

Aí o Victor tava junto e meio que me fez sentir uma idiota por gastar tanto dinheiro com livros, mas poxa! Eu não faço nada, gente. Eu fico em casa nos sábados à noite fazendo programas nerds com o Daniel! Posso?

E é por isso que eu tenho que ganhar muito. Viu, gente que vai me contratar? Pensem nisso. Em como eu sou uma pessoa que gosta de livros e tal, e de ler. E eu sou legal. Sustentem meu vício, por favor.

-Na verdade eu acho que vou ter que passar num concurso daqueles que você tem que ir pro Piauí morrer de calor e falta de internet, mas tudo bem.-

Ah, e quintas também são felizes porque tem o Brazil’s Next Top Model, né? NOT! Hoje eu achei que a Giovahnna ia se dar mal. Colocaram umas cenas dela ‘dando em cima’ da japinha e tal. Dar em cima não foi a intenção, acho, mas ficou parecendo. Eu ri e achei engraçado, porque também brinco assim – depende com quem, obviamente -, mas acho que o resto da população homofóbica brasileira não vai ver desse jeito. Ziegler, Ziegler. Se comporte. Olha a responsabilidade.

E vou confessar que eu pegaria muito o Dudu Bertholini. Tudo bem que ele não me pegaria – e isso é óbvio duas vezes, né? Porque não sei se é, mas deve ser gay. E mesmo bi, se pega guria, é modelo. E eu sou um ser de 160 cm bem recheados. Tipo hobbit, assim. Mas que eu pegava, pegava. Ah, gente, vai falar que não? Essa coisa cabelão + étnico = andrógino me tira do sério. Pegava e pegava forte.

DB6b0ha541c271801b48e_dudu

Se o Herchcovitch também quiser entrar no ménage, tô aceitando.