Dia 29: Múltiplos fails

Eu estou na minha Semana Murphy. É oficial. Entre resfriado 666-from-hell, trânsito maldito e porta emperrada, já tive de tudo. E ontem foi especial.

A manhã foi tranquila. Graças ao Hugo, vou me formar com a Vera. E descobri que tirei 20 numa prova do 2º período em que todo mundo tirou 11. Eu nem sabia.

Aí, legal. Vim pra cá e descobri o Twitter congelado. Foi fantástico. Tinha gente desesperada. Vi um cara dizendo que, se o Twitter não voltasse a funcionar naquele momento, ele iria desligar o computador. Também tinha gente que depois de duas horas de freeze ainda não tinha percebido o que estava acontecendo. Uma guria falava que odeia o Twitter, porque ninguém fala nada. E completou dizendo que ia continuar cantando em inglês até que alguém se pronunciasse. [Perdoem a falta de links, mais uma vez Murphy atuou e me fez apagar o rascunho com todos.]

Então a tarde passou assim, ligeiramente entediante, porque eu não tinha muito trabalho. Nem muito Twitter. Por volta das 15:30, ele começou a andar. Só que aí eu já estava de saída, com a cabeça no FIQ.

Entendam a situação a seguir: o FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos, começou na última terça-feira, dia 6. E eu já estava tendo troços de vontade de ir. Passei o último mês contando os dias. Como alguns amigos também queriam ir mas terça e quarta eram dias impossíveis, deixei pra ir ontem. E assim ficou combinado.

Só que todo mundo sumiu, e o único que eu tinha certeza de que iria, o Hugo, resolveu marcar uma reunião no dia. Fantástico. Fiquei um pouco desanimada, mas resolvi ir mesmo assim, já que seria o único dia em que eu poderia ir, visto que vou viajar hoje e só volto na terça. Me arrependeria se não fosse.

O negócio é que o que mais me atrai nesses eventos são os stands, a possibilidade de encontrar obras que você não encontra em outros lugares, e por um preço também talvez mais acessível. Cheguei lá, os stands estavam desativados por causa da chuva. Fail. E foi isso. Eis o FIQ pra mim esse ano. Não pude ficar muito tempo. Mal aproveitei.

Brazil’s Next Top Model

Bom, chegamos àquela hora em que a estrutura do programa começa a me incomodar. Sabia que isso iria acontecer.

A Rafa foi eliminada. E achei bem injusto.

Veja bem, as provas, até agora, tinham sido bem equilibradas. Todas as participantes passavam por testes iguais. Os mesmos temas, as mesmas dificuldades. A prova de ontem introduziu temáticas diferentes, o que acabou privilegiando algumas e escurraçando outras.

A prova consistia em posar para fotos de rosto, usando maquiagem e adereço de cabeça temáticos. Cada uma recebia um tema e uma personagem, e deveria interpretá-los. Alguns temas já tinham tudo pra dar certo – embora nem todos tenham dado. A Bruna, por exemplo, ficou lindíssima na foto.

bruna_2

Já da Rafa não se pode dizer o mesmo.

rafa_x_2

Agora, veja bem. Não importa que a Fernanda Mota diga que, nossa!, como é difícil fazer uma foto com a da Bruna! Embora eu não seja modelo e não compreenda os graus de dificuldade das fotos, ela nunca vai me convencer de que a comparação é justa. Vamos concordar que um arranjo de flores na cabeça e uma maquiagem suave são bem mais gostáveis do que uma pseudo Princesa Léia prateada de sobrancelha amarela. Qual é?

Eu concordo plenamente com o talento da Bruna, embora, convenhamos, ela tenha uma beleza muito mais admirada no nosso país branco, louro e ariano. Também concordo que outras meninas tenham usado muito mal o seus temas, como a Rafaela, que tinha uma maquiagem interessantíssima e não conseguiu produzir nada de especial. Agora, dizer que temas como os da Tatiana, Fabiana e Bia são fáceis é piada. Especialmente pra Tatiana, que ainda está obviamente desconfortável com a coisa toda e recebeu a missão de interpretar um robô.

.

Thumbs up da semana:

Giovahnna, claro, que se mantém profissional e tem progredido visivelmente. Fica no canto dela e come quieto. Tô começando a ficar otimista.

Mírian. Apesar de não ter sido elogiada, acho que tem se saído bem.

Thumbs down:

Bia. Só dá bola fora. É anti-profissional e só sabe fazer maquiagem de gatinho. xP

Bruna. Ganhou o concurso e estava realmente linda, mas continua não entendendo onde está e o que está fazendo ali.

Rafaela. Fala demais. Se acha muito mais que as outras. Estava confiante demais. Foi bom tomar um susto.

Tatiana. Na boa? Se toca.

Dia 21: Brazil’s Next… Top Model?

Ok, acho que hoje o post vai ser todo dedicado ao Brazil’s Next Top Model, porque tem coisa pra caramba pra comentar.

Primeiro, Bruna, TU É CHATA PRA CARALHO! Sério, cara, como alguém aguenta essa mulher? Chegou botando banca, dizendo que era a mais forte da casa. Só que ela não fez nada até agora além de chorar. Aliás, modelo que chora porque cortou o cabelo? Nunca vi! Claramente não nasceu pra isso. Volta pra tua casa, guria.

Outra que quis ser chatinha foi a Trindade. Na boa, o cabelo ficou infinitamente melhor do que antes. Não só pra ela, mas pra todas. Aliás, achei extremamente nauseante o tanto de vezes que o argumento ‘não-quero-ficar-masculina’ foi usada como argumento pra não cortar o cabelo. Ainda quero falar mais sobre isso, mas vou deixar pra outro dia.

Julliana, Mirian e Rafaela também ficaram incontestavelmente lindas. E como! Fiquei besta. Acho que foi a Rafa – não tenho certeza – que disse que pode raspar, pintar e fazer o que quiser com o cabelo dela, e apreciei a postura. Não é pra isso que elas estão lá? Com profissionais da área? Ôrra! Eu me jogaria! Aliás, troca de lugar comigo, que eu tô precisando dar um jeito no cabelo.

Outrada noite: Liana se foi. E tarde. Deveria ter ido há muito tempo, nem sei porque insistiram com ela. Não vejo nada de bonito ou interessante. E hoje ela mostrou que tem uma fixação com homossexualidade. Obviamente mal-resolvida.

Por fim, a Giovahnna ficou gata! Sério! Quando eu vi que elas iam ter que fazer campanha de lingerie com os caras, pensei: oh-oh! Não porque ela não fosse capaz, mas porque isso poderia ter gerado diversas reações. E apesar de achar a situação problemática, fiquei contente em ver que ela encarou a coisa e mandou bem. Espero que ela não perca o jeito natural dela – pelo que eu vi no programa, né? Não sei como ela é de fato -, meio moleca – tipo quando ela chegou de biquíni, tênis e skate na frente dos jurados; eu ri -, mas acho a postura dela, como modelo, exemplar.

E ainda tem mais um comentário que eu queria fazer, que é o comentário que uma das meninas fez depois da bebedeira da Bia. Algo do estilo “isso-não-é-postura-pra-mulher“. Oiq/

ORLY? Quer dizer que se sua amiga fizer você acha ruim, mas se seu namorado fizer tá beleza? Na boa, essa foi A pérola do programa até agora. Não lembro quem foi que falou. Acho que fiquei em choque demais pra notar.

Eu ia dizer que senti a falta da Jéssyca, mas achei melhor não. Eu simpatizei com ela, mas acho que realmente não é carreira pra ela. Ela é muito fofinha e divertida, e parece muito inteligente, também, e espero que ela se dê bem como bióloga marinha.