#BigodeDay

Ao contrário de 70% da humanidade, eu não tenho problema com aniversários. Sei lá, né? Vai ver, quando eu fizer 30, 40, 50, vai bater uma crise, mas por enquanto eu acho é bom. A dureza, pra mim, é passar longe da família. Tudo bem que eu já falei com cada membro dela umas três vezes hoje, mas nada substitui abraço de mãe, vó e pai.

Ontem, na virada do dia, eu estava num maravilhoso clima melancólico já antecipando a solidão do dia, quando a @carlamaia me arrancou uma risada. Todo aniversariante no Twitter vira o dono do seu dia. #MariaDay. #JoãoDay. #XuxaDay. E eu tava esperando que fosse surgir, no máximo, um #TatáusDay. Ledo engano. Meu dia virou o #BIGODEDAY!

Pra quem não conhece a brincadeira interna, há algum tempo surgiu um rumor de que eu tenho fetiche por bigodes. Tudo baseado num comentário inocente e mal interpretado e obviamente exagerado pela oposição. Como era mais fácil me juntar a eles do que vencê-los, a brincadeira acabou ficando gigante, a ponto de eu receber bigodes no Twitter todos os dias.

Veio daí a brincadeira. Eu entrei na onda do #BigodeDay e coloquei um avatar de bigode. E, um a um, começando pela dona Carla, meia timeline desenvolveu pelos faciais. Até quem não sabia do que a brincadeira se tratava. Até quem não me conhecia. Teve Belchior, Magnum, Olívio Dutra. Até caneca de bigode eu ganhei.

Então eu quero agradecer demais a quem alegrou meu dia nublado. Obrigada pelos parabéns, pelos abraços virtuais, pelos desejos de mais rugby na vida e, principalmente, pelos bigodes. Vocês são lindos. Até peludos.

Anúncios

Dia 124: Big Brother Brasil 10

E aí eu tô aqui curtindo a mais nova febre do Twitter: o Big Brother Brasil 10.

Até o ano passado, ninguém que eu conhecia suportava o BBB. Nem eu dava muita bola. Só assisti as primeiras edições. Mas com o Twitter não tem jeito! É irresistível assistir acompanhando os comentários do povo. É de rachar de rir.

Ainda estamos no segundo dia, mas obviamente já existem os chatos e os favoritos. Meus favoritos são a Ana Marcela (muito simples), o Dicesar (tem como não ser?), a Fernanda (que se continuar com essa sanDYdade por muito tempo vai deixar de ser) e o Sérgio (awwwn). Aliás, adorei o pai do Sérgio ontem. Deu vontade de morder.

Já quem pode deixar a casa na semana que vem, se possível, na minha opinião:

Anamara. Fala muito. E é só abobrinha. Mas, como diz o Hugo, nem vai ser muito legal se ela sair agora. Porque aí a gente não vai ver ela sendo presa por deserção daqui a um mês. BAR-RA-CO! BAR-RA-CO!

Angélica. PUTAQUEOPARIU! Não tinha uma lésbica piorzinha, não? Ela pisou na imagem de todas as lésbicas do mundo. Muito grata, viu, moça? Vai ser chata assim lá na China!

Carlos. Macho alfa não faz falta. Beijos.

Elenita. Chata. Chata. Chata. Chata. E lê autoajuda.

Michel. Macho alfa 2. TCHAU! [Qual é a tara da Globo por ruivos malas?]

Enfim, esse vai ser um BBB divertido. Aliás, um blog legal pra acompanhar é o Décimo BBB, da Mary W. Alguém quer fazer um bolão?

Dia 95: Formspring

Do nada, sem que eu visse, esse tal de Formspring se espalhou como vírus pelo Twitter! Tá uma febre só por causa disso. Lógico que eu fiz uma conta pra mim.

Formspring é só mais um negócio pra acabar com a sua privacidade e te ferrar pro mundo. Tem sido usado pra especular a vida sexual alheia, obviamente.

Além de mim, outras gurias que fizeram foram a biscrok (SABIA que não ia aguentar!), a suamaeehhomem, a duascores, a lolitahh, a marcelee e a apoubell. Uma parceria das gurias citadas que são sapas rendeu o sapataria responde.

Tá divertido. De vez em quando me sacaneiam, mas é engraçado demais. Ainda bem que esse negócio chegou nas férias, porque é vício certo.

.

Update:

Também tem a inquietudine, a juliana e a lori!

Dia 74: Nada

O grande problema desses dias cheios de trabalhos pra faculdade é que, depois de passar horas de raiva sofrendo nas mãos do BrOffice, eu esqueço a idéia brilhante de postagem que tive durante o dia.

Ou seja, não tenho nada pra escrever, mais uma vez.

A única coisa que ando fazendo na internet – além de falar merda no Twitter – é atualizar meu Tumblr (cuidado, pode ser ligeiramente NSFW).

Então é isso.

Er.

*Cigarras ao fundo.

Dia 29: Múltiplos fails

Eu estou na minha Semana Murphy. É oficial. Entre resfriado 666-from-hell, trânsito maldito e porta emperrada, já tive de tudo. E ontem foi especial.

A manhã foi tranquila. Graças ao Hugo, vou me formar com a Vera. E descobri que tirei 20 numa prova do 2º período em que todo mundo tirou 11. Eu nem sabia.

Aí, legal. Vim pra cá e descobri o Twitter congelado. Foi fantástico. Tinha gente desesperada. Vi um cara dizendo que, se o Twitter não voltasse a funcionar naquele momento, ele iria desligar o computador. Também tinha gente que depois de duas horas de freeze ainda não tinha percebido o que estava acontecendo. Uma guria falava que odeia o Twitter, porque ninguém fala nada. E completou dizendo que ia continuar cantando em inglês até que alguém se pronunciasse. [Perdoem a falta de links, mais uma vez Murphy atuou e me fez apagar o rascunho com todos.]

Então a tarde passou assim, ligeiramente entediante, porque eu não tinha muito trabalho. Nem muito Twitter. Por volta das 15:30, ele começou a andar. Só que aí eu já estava de saída, com a cabeça no FIQ.

Entendam a situação a seguir: o FIQ, Festival Internacional de Quadrinhos, começou na última terça-feira, dia 6. E eu já estava tendo troços de vontade de ir. Passei o último mês contando os dias. Como alguns amigos também queriam ir mas terça e quarta eram dias impossíveis, deixei pra ir ontem. E assim ficou combinado.

Só que todo mundo sumiu, e o único que eu tinha certeza de que iria, o Hugo, resolveu marcar uma reunião no dia. Fantástico. Fiquei um pouco desanimada, mas resolvi ir mesmo assim, já que seria o único dia em que eu poderia ir, visto que vou viajar hoje e só volto na terça. Me arrependeria se não fosse.

O negócio é que o que mais me atrai nesses eventos são os stands, a possibilidade de encontrar obras que você não encontra em outros lugares, e por um preço também talvez mais acessível. Cheguei lá, os stands estavam desativados por causa da chuva. Fail. E foi isso. Eis o FIQ pra mim esse ano. Não pude ficar muito tempo. Mal aproveitei.

Brazil’s Next Top Model

Bom, chegamos àquela hora em que a estrutura do programa começa a me incomodar. Sabia que isso iria acontecer.

A Rafa foi eliminada. E achei bem injusto.

Veja bem, as provas, até agora, tinham sido bem equilibradas. Todas as participantes passavam por testes iguais. Os mesmos temas, as mesmas dificuldades. A prova de ontem introduziu temáticas diferentes, o que acabou privilegiando algumas e escurraçando outras.

A prova consistia em posar para fotos de rosto, usando maquiagem e adereço de cabeça temáticos. Cada uma recebia um tema e uma personagem, e deveria interpretá-los. Alguns temas já tinham tudo pra dar certo – embora nem todos tenham dado. A Bruna, por exemplo, ficou lindíssima na foto.

bruna_2

Já da Rafa não se pode dizer o mesmo.

rafa_x_2

Agora, veja bem. Não importa que a Fernanda Mota diga que, nossa!, como é difícil fazer uma foto com a da Bruna! Embora eu não seja modelo e não compreenda os graus de dificuldade das fotos, ela nunca vai me convencer de que a comparação é justa. Vamos concordar que um arranjo de flores na cabeça e uma maquiagem suave são bem mais gostáveis do que uma pseudo Princesa Léia prateada de sobrancelha amarela. Qual é?

Eu concordo plenamente com o talento da Bruna, embora, convenhamos, ela tenha uma beleza muito mais admirada no nosso país branco, louro e ariano. Também concordo que outras meninas tenham usado muito mal o seus temas, como a Rafaela, que tinha uma maquiagem interessantíssima e não conseguiu produzir nada de especial. Agora, dizer que temas como os da Tatiana, Fabiana e Bia são fáceis é piada. Especialmente pra Tatiana, que ainda está obviamente desconfortável com a coisa toda e recebeu a missão de interpretar um robô.

.

Thumbs up da semana:

Giovahnna, claro, que se mantém profissional e tem progredido visivelmente. Fica no canto dela e come quieto. Tô começando a ficar otimista.

Mírian. Apesar de não ter sido elogiada, acho que tem se saído bem.

Thumbs down:

Bia. Só dá bola fora. É anti-profissional e só sabe fazer maquiagem de gatinho. xP

Bruna. Ganhou o concurso e estava realmente linda, mas continua não entendendo onde está e o que está fazendo ali.

Rafaela. Fala demais. Se acha muito mais que as outras. Estava confiante demais. Foi bom tomar um susto.

Tatiana. Na boa? Se toca.

Dia 4: VMA

Parece que o assunto do dia foi o VMA, que aconteceu ontem. Eu geralmente não presto muita atenção a essas coisas – a única premiação a que me dou o trabalho de assistir é o Oscar -, mas ontem não tive como ignorar, visto que meu Twitter estava sendo bombardeado por comentários em tempo real. Chegou a ponto de todas as pessoas postantes no momento falarem disso. Todas. Eu não dei print screen, mas deveria: quando a Beyonce subiu ao palco, não havia um post sequer na minha página inicial que não estivesse comentando sobre ela.

Como eu não tenho MTV aqui – big, big fail, Oi TV -, fiquei sem assistir, e só hoje fui saber e ver sobre o que estavam falando. O momento número 1 do evento foi o barraco do Kanye West interrompendo os agradecimentos da cantora Taylor Swift – que a bem da verdade eu só fiquei conhecendo hoje – para dizer que a Beyonce deveria ter ganhado. Beyonce ficou obviamente constrangida e consertou o malfeito mais tarde, ao receber o prêmio de ‘Vídeo do Ano’, quando chamou Swift de volta ao palco para ter o ‘momento’ dela. O site ‘The Celebrity Cafe’ chamou a atitude da cantora de classy, e eu tenho que concordar.

O outro vídeo que bombou o dia todo foi a apresentação da Lady Gaga. Devo dizer que por muito tempo achei que ela fosse mais uma dessas cantoras iguais, mas agora acredito que a guria tenha futuro. Nova Madonna? Bom, elas têm algumas coisas em comum além da ascendência italiana: ousadia e polêmica. Simpatizei com a moça.

Fugindo um pouco do VMA pra cair em outra vergonha alheia, tive o desprazer de assistir um vídeo que a @lillyf_ circulou hoje no Twitter com pessoas respondendo a perguntas básicas de geografia. Quando digo básicas, quero dizer básicas mesmo. Tipo apontar o Brasil no mapa. É altamente ridículo.